Paris, Lisboa (2019)

O segundo álbum de estúdio marca uma viragem na vida de Salvador Sobral. Inspirado numa viagem sem partida nem chegada, mas cujos pontos de união se fazem entre Paris e Lisboa, cidades de grande preponderância no processo de construção deste disco e numa assumida  referência ao clássico de Wim Wenders, “Paris, Texas”.

ouvir

Excuse Me ao Vivo (2017)

“Sempre me considerei mais um músico de palco que de estúdio. Este estilo de música que toco e os músicos com quem toco ganham outra essência, outra dimensão quando tocamos ao vivo. Neste disco podemos ouvir várias “conversas” que vamos tendo entre músicos e também a reacção do público, que às vezes também quer intervir. Por vezes o Júlio (piano) pode dizer algo, ao qual o Bruno (bateria) responde imediatamente, ou simplesmente ouve e decide não responder. São conversas, e como quase todas as conversas são totalmente improvisadas, foram feitas ali e nunca mais se repetirão. É por tudo isto que eu gosto tanto de jazz.”  Salvador Sobral

ouvir

Excuse Me (2016)

Disco de estreia de Salvador Sobral, composto entre 2014 e 2016 por Salvador em colaboração com o compositor venezuelano Leonardo Aldrey. O jazz, a música brasileira e as sonoridades da américa latina em que mergulha para se inspirar, são também fortes influências na narrativa do disco, que oferece versões reinventadas de standards como “Autumn in New York” ou de preciosidades da música brasileira como “Nem Eu” de Dorival Caymmi.

ouvir